Se querem descobrir e fotografar achados da Natureza da Praia de Quiaios e da Serra da Boa Viagem, visitem uma das regiões mais ricas em Biodiversidade e Geologia de Portugal!

Pesquisar neste blogue

Mapa da Serra da Boa Viagem com Trilhos (Triângulo do Cabo Mondego)

sexta-feira, 12 de abril de 2013

O Estudo dos Oceanos

O Estudo dos Oceanos

         A Terra é o único dos nove planetas do sistema solar que possui uma quantidade apreciável de água em sua superfície. Cerca de 71 % da superfície terrestre é coberta por oceanos, e metade do mundo tem uma camada de água com mais de três quilômetros de profundidade, Mais de 98 % da água na Terra encontra-se nos mares e grande parte do restante encontra-se congelada nos pólos.

         A rigor, o nome mais correto para o nosso planeta deveria ser Água , e não Terra. Principalmente porque a vida teria tido sua origem no mar. E não é a toa que os oceanos atraiam tanto o interesse da humanidade.

         Os seres humanos têm observado os mares desde o início da civilização com um misto de medo, admiração e curiosidade.

        O interesse esteve inicialmente centrado em aspectos práticos como uso da vida marinha como alternativa alimentar e o comportamento das marés e de outros fenômenos marinhos que afetavam o litoral onde viviam. Com o desenvolvimento de navios, o interesse estendeu-se a fenômenos que afetam a navegação, como ventos, correntes marinhas e temperatura da água. Graças a esses conhecimentos foram possíveis a expansão marítima, a descoberta de novos continentes e o estabelecimento do comércio mundial.

         O estudo do mar como ciência começou no século XIX com o trabalho de homens como o oficial naval norte-americano Matthew Fontaine Maury que compilou dados dos diários de bordo dos navios para montar cartas marítimas detalhadas de ventos e correntes.

         A observação científica dos oceanos está abrindo novas fronteiras para a humanidade. Com ela podemos compreender o funcionamento global do clima, conhecer e se maravilhar com a vida marinha, desvendar os mistérios da evolução e da origem da vida, aumentar a produção de alimentos, descobrir novos e miraculosos medicamentos e explorar riquíssimos recursos minerais ainda intocados. A ciência que ocupa um papel central nesta tarefa é a Oceanografia . E você a conhecerá em detalhe nesta home page, começando pela sua definição e campos de estudo.

        Conheça os mais marcantes fatos que forjaram a história do estudo e conhecimento do ambiente marinho navegando pela Linha do Tempo da Oceanografia .

 

TEMAS ABORDADOS

A Ciência Oceanográfica

Conceituação e campos de estudo da Oceanografia

Oceanografia Física

Oceanografia Geológica

Oceanografia Química

Oceanografia Biológica

Arqueologia Marinha

Engenharia Oceânica

Ecologia Marinha

A carreira de oceanógrafo

Perfil do profissional

Cursos de Graduação

Cursos de Pós-Graduação

Campos de trabalho

Histórico da Oceanografia

Era da Oceanografia de Superfície: até 1872

Era dos Primórdios da Observação Científica: 1872-1925

Era das Pesquisas Batimétricas: 1925-1943

Era dos Novos Métodos: 1943-1961

Era dos Grandes Projetos: 1961-1978

Era da Síntese Global: 1978 -

A Pesquisa Oceanográfica

Etapas na pesquisa Oceanográfica

Planejamento

Coleta de Dados

Análise dos Dados

Divulgação dos Resultados e Conclusões

Instrumentos de pesquisa

Medidores de temperatura e salinidade

Medidores de movimento de massas de água

Medidores de substâncias químicas

Medidores de luminosidade

Medidores de profundidade

Mapeadores do relevo submarino

Coletores de amostras geológicas

Coletores de amostras biológicas

Plataformas de pesquisa oceanográfica

Bóias oceanográficas

Navios Oceanográficos

Satélites Oceanográficos

Submersíveis

Batisferas

Submarinos

Submarinos de pesquisa

Submarinos comerciais

Submarinos turísticos

Robôs submarinos

Robôs controlados por cabos

Robôs bentônicos

Trajes de mergulho

Laboratórios submarinos

Homem no Mar

Conshelf

Sealab

Glaucus

Cachalot

Tektite

Hydrolab

Aquarius

Albergue Subaquático Júlio Verne

MarineLab

Instituições de pesquisa oceanográfica

Instituto Oceanográfico Woods Hole

Instituto Scripps de Oceanografia

NOAA

Museu Oceanográfico de Mônaco

Instituto Shirshov

Instituto Oceanográfico do Pacífico

JAMSTEC

IFREMER

Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo

Departamento de Oceanografia da Fundação Universidade do Rio Grande

Departamento de Oceanografia da UFPE

LABOMAR (Instituto de Ciências do Mar)

Centro de Estudos do Mar

Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar (CTTMar – Univali)

Grandes Projetos de Pesquisa

Projetos de estudo geológico do manto terrestre

MOHOLE

JOIDES

DSDP

ODP

Projetos de estudo das Cordilheiras Meso-Oceânicas

FAMOUS

AIDJEX, LOREX, CESAR e SCICEX

InterRidge

Projetos de mapeamento das correntes oceânicas

MODE

POLYMODE

WOCE

TOPEX-POSEIDON

Projetos de estudo da interação oceano-atmosfera

NORPAX

TOGA

GOOS

CLIVAR

PIRATA

AMOC

BALTEX

Programa Internacional Geosfera-Biosfera

JGOFS

LOICZ

GLOBEC

TASC

Programa de Ciência e Tecnologia Marinha

Programas brasileiros de pesquisa

Oceanografia Econômica

O mar como alternativa energética

Energia das marés

Energia das ondas

Energia térmica

Depósitos de metano

Mineração submarina

Minerais na água marinha

Minerais nas praias

Minerais na plataforma continental

Minerais nos sedimentos do leito oceânico

Minerais nas rochas enterradas no leito oceânico

Dessalinização

Biotecnologia

Maricultura

Turismo ecológico oceânico

A Oceanografia defende os recursos marinhos nacionais

Perspectivas futuras da Oceanografia

Projetos já definidos

GODAE

IMAGES

Ocean Base

Jason e Argo

Linhas de pesquisa

Biologia Marinha

Meteorologia oceânica

Pesquisa geológica e mineração submarina

Novas tecnologias de mergulho e pesquisa

O Ambiente Marinho

Planeta Água

Um mar de estabilidade

Água: fluído exótico e milagroso

Os oceanos

Oceano Pacifico

Oceano Atlântico

Oceano Índico

Principais fatores do ambiente marinho

Luminosidade

Temperatura

Salinidade

Pressão hidrostática

Densidade

Correntes

Marés e Ondas

pH

Gases dissolvidos

Micronutrientes

O papel do ambiente marinho na Biosfera

Os oceanos e a temperatura da Terra

El Niño mostra o poder da temperatura do oceano

O verdadeiro pulmão do mundo

Poluentes no mar

Petróleo

Esgoto

Produtos Químicos

Os Organismos Marinhos

A Biodiversidade Marinha

Ambiente

Tamanho

Modo de vida

Invertebrados

Poríferos

Celenterados

Ctenóforos

Platelmintos

Asquelmintos

Nematoda

Priapulida

Acantocéfala

Nematomorfa

Quetognata

Cicliofora

Gastrotrica, Quinorinca, Loricifera e Rotifera

Nemertíneos

Poliquetas

Moluscos

Bivalves

Gastrópodes

Anfineuros

Escafópodes

Cefalópodes

Crustáceos

Entomostracos

Malacostracos

Briozoários

Equinodermos

Asteróides

Ofiuróides

Equinóides

Holoturóides

Crinóides

Vertebrados

Perfil de um vertebrado

Notocorda

Tubo nervoso

Fendas na faringe

Protocordados

Hemicordados

Tunicados

Cefalocordados

Ciclóstomos

Peixes cartilaginosos

Peixes ósseos

Tetrápodes

Anfíbios

Répteis

Aves

Mamíferos

Cetáceos

Sirênios

Pinípedes

Os Reinos da Flora

Reino Monera

Bactérias

Cianobactérias

Reino Protista

Definição de protistas

Protozoários

Ciliados

Flagelados

Foraminíferos

Algas

Euglenófitas

Crisófitas

Pirrófitas

Reino Plantae

Talófitas

Clorofíceas

Feofíceas

Rodofíceas

Angiospermas

Reino Fungi

O Plâncton

Caracterização e papel ecológico do plâncton

Definição

Divisões do plâncton

Tamanho

Profundidade

Posicionamento

Permanência

Forma de alimentação

O plâncton e as outras comunidades

O desafio da flutuabilidade

Taxa de afundamento

Adaptações para a flutuabilidade

Produção primária

Produção e produtividade

Métodos de medida da produção primária

Fatores limitantes

Luminosidade

Nutrientes

Poluição

Fatores Físicos

Zonas de Ressurgência

Ciclo de vida do plâncton

Diferenças regionais na produtividade

Produtividade nas regiões polares

Produtividade nas regiões temperadas

Produtividade nas regiões tropicais

O impacto do clima continental

O Nécton

O Ambiente Nectônico

Subdivisões da região pelágica

Comparação com o meio terrestre

Os peixes: dominadores do nécton

Evolução dos peixes

Características adaptativas dos peixes

Estruturas de proteção e sustentação

Estrutura de locomoção e forma

Flutuação

Respiração, excreção e regulação osmótica

Alimentação

Órgãos dos sentidos

Coloração

Dinâmica populacional

Conceito de população

Construindo um modelo para uma população de peixes

Curvas de reprodução e de sobrevivência

Pontos de equilíbrio estável e instável

A insensatez da pesca predatória

A promessa e os perigos da aquacultura

Ecossistemas nectônicos

Ecossistema abissal

O mar de Sargaço

O Bentos

Caracterização e zonação do bentos

Conceituação de bentos

Zonação

Ecologia do Sistema Litoral

Condições ambientais no sistema litoral

Fatores Físicos

Fatores Bióticos

Adaptações de organismos intertidais

Resistência a perda de água

Manutenção do balanço térmico para evitar altas temperaturas

Resistência ao estresse mecânico das impactos das ondas

Sobrevivência ao estresse salino

Ecossistemas do Sistema Litoral

Comunidades estruturadas pelo tipo de substrato

Costão rochoso

Poças de marés

Praias arenosas

Dunas

Restingas

Praias lodosas

Estuários

Manguezal

Comunidades estruturadas pela espécie dominante

Pasto marinho

Pena marinha

Renilha

Comunidades estruturadas pelas condições climáticas

Antártida

Recifes de coral

Caracterização e zonação do bentos

Conceituação de bentos

Zonação

Ecologia do Sistema Profundo

Relevo do fundo oceânico

Fatores limitantes

Características dos ecossistemas do Sistema Profundo

A vida nas planícies e fossas abissais

As fontes hidrotermais submarinas

Afloramentos frios

Impactos humanos na comunidade bentônica

Petróleo

Esgoto doméstico

Contaminação por metais pesados

Contaminação estuarina

Preservação dos manguezais

Erosão costeira

O turismo destrói os costões rochosos e os recifes

O branqueamento dos corais

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Seguidores

Contribuidores