Se querem descobrir e fotografar achados da Natureza da Praia de Quiaios e da Serra da Boa Viagem, visitem uma das regiões mais ricas em Biodiversidade e Geologia de Portugal!

Pesquisar neste blogue

Mapa da Serra da Boa Viagem com Trilhos (Triângulo do Cabo Mondego)

sábado, 13 de abril de 2013

Tabelas fitossociológicas Parte IIa

Tabelas fitossociológicas das comunidades de dunas, arribas e matos de Murtinheira/Quiaios (Sector Divisório Português). Parte IIa .

Mapa biogeográfico da área de estudo

(Extraído de: Costa, J. C. et. al. Finisterra, XXXV, 69, 2000, pp. 69-93   )

2. Arribas e Falésias (Sea Cliffs)

Nas arribas e falésias marítimas calcárias encontra-se a flora e vegetação mais original do Sector Divisório Português . Em outono, apesar de chuvas anuais abundantes, observa-se devido aos ventos fortes carregadas de sal, uma seca fisiológica. Nos sítios mais expostos encontram-se três associações que pertencem à aliança mediterrânica Crithmo-Daucion halophili ( Crithmo-Staticetea maritimae ). A associação mais por sul é encontrada de Peniche até Lisboa, com excepção do granítico do Cabo da Roca, chamada Limonietum multifloro-virgati . Além de Limonium virgatum  (= L. oleifolium ) e Limonium multiflorum  são comuns também Dactylis marina , Crithmum maritimum , Plantago coronopus  ssp. occidentalis , Daucus halophilus , Spergularia australis , Armeria welwitschii  ssp. cinerea , Frankenia laevis , Inula crithmoides , Limonium ferulaceum  (COSTA et al., 1998).

    Entre os cabos Carvoeiro (Peniche) e Mondego encontra-se uma comunidade com uma composição similar, mas sem L. multiflorum  and L. virgatum, substituidas por Limonium plurisquamatum  and Limonium ovalifolium . Esta associação é a Dactylo marinae-Limonietum plurisquamati . Ambas as associações são encontradas mais frequentemente em calcário e raramente em arenite. A associação Diantho cintrani-Daucetum halophili  é endémica entre as falésias graníticas do Superdistrito Sintrano . As espécies mais frequentes são Daucus halophilus , Dactylis marina , Crithmum maritimum , Limonium virgatum , Dianthus cintranus  ssp. cintranus , Armeria pseudarmeria , Plantago coronopus  ssp. occidentalis  (COSTA et al., 1998).

   

O Spergulario rupicolae-Armerietum berlengensis  também é endémico e aparece em falésias graníticas do Superdistrito Berlengense . É formado por Armeria berlengensis , Crithmum maritimum , Dactylis marina , Spergularia rupicola , Plantago coronopus  ssp. occidentalis , Silene uniflora , Angelica pachycarpa , etc. (COSTA et al., 1998). Esta comunidade pertence à aliança atlântica Crithmion maritimae . Na primavera encontra-se uma comunidade aero-halofílica e nitrofílica anual que resulta da destruição das comunidades de Limonium : Parapholido incurvae-Catapodietum marini ( Saginetea maritimae ), onde Parapholis incurva , Catapodium marinum , Leontodon taraxacoides  são frequentes (COSTA et al., 1998). Nos restante sítios e nos sítios onde alimentam-se as aves marinhas, pode ser encontrada uma comunidade de nanofanerofitos halonitrófilicos. Esta vegetação pertence à classe de vegetação do Pegano-Salsoletea. Atriplex halimus , Suaeda vera , Frankenia laevis , Beta vulgaris  ssp. maritima , Inula crithmoides são abundantes  – Scrophulario sublyratae-Suaedetum verae  (COSTA et al., 2000).

    A vegetação climax (permanente) das falésias marinhas é a comunidade do Junípero: Querco cocciferae Juniperetum turbinatae . Embora que os dois taxones que fornecem o nome, são dominantes na comunidade, as espécies Asparagus aphyllus,   Olea europaea  var. sylvestris , Rubia peregrina  var. longifolia , Rhamnus alaternus , etc. podem também ser encontras ( tabela XI ).  Esta comunidade é endémica de Portugal e pode ser encontrada do cabo Mondego até ao Algarve (COSTA et al ., 1994). O climax teórico não é atingido nas falésias marítimas devido ao efeito de secagem dos ventos fortes, apesar das pluviosidades anuais elevadas nestes ambientes.

    O Cisto salvifolii-Ulicetum humilis lavanduletosum luiseri  é outro sintaxone endémico do Superdistrito Costeiro Português  (HONRADO et al ., 1999). É uma comunidade atlântica que pode ser encontrada nas falésias marinhas do Foz do Arelho e é formado por Ulex europaeus  ssp. latebracteatus  f. humilis , Cistus salviifolius , Erica umbellata , Daphne gnidium  var. maritima , Genista triacanthos , Brachypodium rupestre , Calluna vulgaris , Pseudarrhenatherum longifolium , Carlina corymbosa  var. major , Dactylis marina , Asparagus aphyllus , Lavandula luisieri , Cistus ladanifer , Rubia peregrina  var. longifolia , Phillyrea angustifolia  e outras.

    No <<Sintrano>> e na parte mais sul do Superdistrito Costeiro Português , em solos graníticos e dunas fósseis e consolidadas, pode ver-se a nova comunidade Daphno maritimi-Ulicetum congesti ; é dominado pelo endémico Ulex jussiaei ssp. congestus , Daphne gnidium  var. maritima , Carlina corymbosa  var. major , Armeria pseudarmeria , Daucus halophilus , Dactylis marina , Euphorbia portlandica , Calluna vulgaris , etc. (syntypus relevé 2, tabela XII ). Esta comunidade forma um mosaico com o Querco cocciferae-Juniperetum turbinatae . É a associação mais por sul da aliança atlântica das falésias marinhas: Dactylido maritimae-Ulicion maritimi , endémica na área do estudo.

    Por sul de Nazaré em solos calcários, a degradação da comunidade do junípero resulta numa comunidade de pequenos arbustos de Ulex densus . Outras espécies comuns são: Salvia sclareoides , Eryngium dilatatum , Anthyllis vulneraria  ssp.  maura , Plantago serraria  var. hispanica : Salvio sclareoidis-Ulicetum densi ulicetosum densi  ( tabela XIII ). É uma comunidade endémica do Sector Divisório Português . Daphne gnidium  var. maritima , Dactylis marina , Daucus halophilus , Carlina corymbosa  var. major , Ononis natrix  ssp. ramosissima , Calendula suffruticosa  ssp. algarbiensis , Helichrysum decumbens  definem uma variante costeira desta associação (variante de Daphne maritima ) em relação à comunidade típica do Superdistrito Costeiro Português . Ela forma um mosaico com as pradarias do Brachypodium phoinicoides  ( Phlomido lychnitidis-Brachypodietum phoenicoidis ) que são habitats ricos em orquídeas selvagens.

Outras comunidades das falésias são: comunidades do Arundo donax  ( Arundini donacis-Convolvuletum sepium ) e comunidades de Tamarix africana  de características semi-naturais - desde que estas são promovidas por objectivos de protecção contra ventos marinhos.

Tabela XI .  - Querco cocciferae-Juniperetum turbinatae

(relevé 14 extraído da Tabela XI de: Costa, J. C. et. al. Finisterra, XXXV, 69, 2000, pp. 69-93  )

Número do relevé

14

Relevé: 14 = Cabo Mondego;

Aspecto

S

Área mínima (1-10m2)

10

Altura (1-10m)

4

Número de espécies

35

Características

Juniperus turbinata

1

Rubia peregrina ?var. longifolia

1

Asparagus aphyllus

.

Daphne gnidium var. maritima

+

Smilax aspera var. nigra

1

Pistacia lentiscus

3

Quercus coccifera

3

Rhamnus alaternus

+

Phillyrea angustifolia

+

Olea europaea var. sylvestris

+

Arisarum vulgare var. clusii

1

Lonicera implexa

+

Lonicera ?implexa

Euphorbia characias

+

Osyris alba

.

Bupleurum rigidum ssp. paniculatum

.

Rhamnus oleoides

.

Link

Myrtus communis

+

Coronilla glauca

2

Phillyrea media

.

http://crdp2.ac-besancon.fr/flore/flore/Oleaceae/especes/phillyrea_latifolia.htm

Ruscus aculeatus

.

Rosa sempervirens

.

Genista tournefortii

1

?Genista tournefortii

Genista hispanica

Melica arrecta

.

Hyacinthoides hispanica

+

Carex distachya

.

Asparagus acutifolius

+

Asparagus ?acutifolius

Selaginella denticulata

+

Scilla monophyllos

.

Companheiras

Cistus salviifolius

1

Brachypodium phoenicoides

1

Dactylis marina

+

Calendula suffruticosa ssp. algarbiensis

1

?Calendula suffruticosa ssp. algarbiensis

Ulex densus

.

Pulicaria odora

+

Eryngium dilatatum

+

Eryngium dilatatum

Urginea maritima

+

Cistus crispus

+

Sedum sediforme

.

Daucus halophilus

+

Lonicera periclymenum ssp. hispanica

.

Carlina corymbosa

.

Ulex jussiaei ssp. congestus

1

Helichrysum decumbens

.

Helichrysum picardi

Cistus monspeliensis

.

Carpobrotus edulis

.

Dittrichia viscosa

.

Antirrhinum majus ssp. linkianum

.

Cheirolophus sempervirens

.

Iberis microcarpa

1

Plantago serraria var. hispanica

.

Convolvulus althaeoides

+

Convolvulus ?althaeoides

Anthyllis vulneraria ssp. maura

.

Anthyllis vulneraria ?ssp. maura

Lobularia maritima

+

Limonium sp.

.

Crithmum maritimum

.

Echium tuberculatum

.

Echium ?tuberculatum

Ionopsidium acaule

.

Thapsia villosa

.

Cynara humilis

.

Euphorbia portlandica

.

Narcissus bulbocodium ssp. obesus

.

Romulea bulbocodium

.

Bellis sylvestris

.

?Bellis sylvestris

Armeria pseudarmeria

.

Mais relevé

Scolymys hispanicus

x

?

Asteriscus spec.

?

?

Inula crithmoides

Outras espécies encontradas:

?Spécies

40°11'31.60"N  8°54'22.93"W

Continuação:  --> Tabelas fitossociológicas - Parte IIb

Voltar

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Seguidores

Contribuidores