Se querem descobrir e fotografar achados da Natureza da Praia de Quiaios e da Serra da Boa Viagem, visitem uma das regiões mais ricas em Biodiversidade e Geologia de Portugal!

Pesquisar neste blogue

Mapa da Serra da Boa Viagem com Trilhos (Triângulo do Cabo Mondego)

sábado, 13 de abril de 2013

Tabelas fitossociológicas Parte IV

Tabelas fitossociológicas das comunidades de dunas, arribas e matos de Murtinheira/Quiaios (Sector Divisório Português). Parte IV .

Mapa biogeográfico da área de estudo

(Extraído de: Costa, J. C. et. al. Finisterra, XXXV, 69, 2000, pp. 69-93   )

Lagoa das Braças

e

Lagoa da Vela, Quiaios

Texto extraído de: Randi, D.; Castilho, A.M.; Dinis, P.; Callapez, P.: Evolução da Paisagem a Norte do Cabo Mondego durante os últimos milhares de Anos.  Em : As Ciências da Terra ao serviço do ensino e do desenvolvimento. O exemplo Figueira da Foz. Figueira da Foz, 2006.

Holoschoeno australis-Salicetum arenariae  M.J. Martins & Penas ex J.C. Costa, Neto, Capelo & Lousã, associatio nova hoc loco

Comunidade arbustiva com 1-2 m de altura, dominada pelo Salix arenaria acompanhado de Holoschoenus romanus  var. australis , Schoenus nigricans , Juncus acutus , Agrostis stolonifera , Salix atrocinerea , Carex arenaria , Lythrum salicaria , entre outras [ Tabela XIV , syntypus inventário nº 3]. Observa-se em depressões dunares, que de Inverno podem ficar inundadas, em margens de lagoas e de valas de drenagem, que secam no Verão mas onde o lençol freático se encontra frequentemente próximo da superfície. Ocorre na parte mais setentrional do Costeiro Português (entre Quiaios e S. Jacinto), no andar mesomediterrânico e em ombroclima sub-húmido. NETO (1994) observou esta comunidade nas dunas de S. Jacinto designando-a por "comunidade de Salix arenaria  e Salix atrocinerea ", posterior-mente MARTINS (1999) também a assinalou entre Mira e Quiaios designando-a Salicetum atrocinereo-arenariae  nom. inval. WEBER (1999) posicionou as associações constituidas por Salix arenaria  nas alianças das costas psamofílicas nortatlânticas Salicion arenariae  Tüxen ex Passarge in Scamoni 1963, [desde a Escandinávia até à Holanda] e Ligustro-Hippophaeion  J.M. Géhu & Géhu-Frank 1983 [desde o sul da Holanda até à França], ordem Salicetalia arenariae Preising & Weber in Weber 1999 da classe Rhamno-Prunetea. Apesar da dominância do Salix arenaria  e da presença de Carex arenaria  posicionamos esta comunidade na Molinio-Holoschoenion , Holoschoenetalia , MOLINIO-ARRHENATHERETEA . Esta colocação sintaxonómica é a mais parcimoniosa, pois evita a criação excessiva de sintáxones de categoria superior e parece-nos consistente em termos ecológicos e biogeográficos.

Tabela XIV (Quadro 5)  - Holoschoeno australis-Salicetum arenariae

Nº de ordem

4

Área mínima (m2)

20

Características

Salix arenaria

5

40°15'40.96"N    8°47'38.25"W

Holoschoenus romanus var. australis

+

Schoenus nigricans

+

Agrostis stolonifera

1

Juncus acutus

.

Mentha suaveolens

.

Companheiras

Carex arenaria

1

Salix atrocinerea

.

Lythrum salicaria

+

40°15'40.96"N    8°47'38.25"W

Rubus ulmifolius

+

40°14'34.35"N  8°48'32.99"W

Carex extensa

.

Mais

Phragmites australis

.

Helichrysum virescens

.

Mentha aquatica

.

Mentha ?aquatica

  40°14'36.65"N   8°48'30.26"W

Cladium mariscus

+

40°15'40.96"N    8°47'38.25"W

Outras espécies encontradas nas Lagoa das Braças e Lagoa da Vela:

Lysimachia spec.

40°15'40.96"N    8°47'38.25"W

Typha latifolia

 40°15'40.96"N    8°47'38.25"W

Ranunculus spec.

Voltar

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Seguidores

Contribuidores