Se querem descobrir e fotografar achados da Natureza da Praia de Quiaios e da Serra da Boa Viagem, visitem uma das regiões mais ricas em Biodiversidade e Geologia de Portugal!

Pesquisar neste blogue

Mapa da Serra da Boa Viagem com Trilhos (Triângulo do Cabo Mondego)

sexta-feira, 12 de abril de 2013

O ambiente marinho e a biodiversida...

O ambiente marinho  e a biodiversidade marinha

Uma página bem estruturada sobre o ambiente marinho e a vida marinha, é o Espaço Sariego :

Um mar de estabilidade

O mar sempre exerceu extraordinário fascínio sobre os homens, do poeta ao cientista, suscitando a curiosidade. O estudo de seus ambientes e da vida que o preenche é uma das maiores aventuras da Ciência e da Tecnologia moderna, além de tornar-se prioritária em vista da crescente degradação ambiental, que ameaça a vida no Planeta. No mar está a futura “fronteira agrícola” que poderá alimentar a bilhões de seres humanos. E é nele que encontraremos as respostas para o mistério da origem e evolução da vida.

         A principal chave para a compreensão da vida marinha e de sua ecologia é o conhecimento do ambiente marinho , no que tem de característico e diferente do ambiente terrestre , quanto aos seus fatores físicos e químicos, capazes de determinar e limitar a distribuição dos animais marinhos, de acordo com suas habilidades e capacidade de adaptação.

         A comparação entre esses dois ambientes, revela um princípio fundamental: o mar é um ambiente muito mais estável e constante que o terrestre. No interior dos oceanos a mudança de temperatura não é tão rápida e dramática, nem se notam tão claramente as diferenças entre as estações do ano.

            É um erro imaginar que o mar, um ambiente dotado de notável estabilidade, seja uniforme e até mesmo monótono. Nada mais longe da verdade. Ele possui, tal como os continentes uma enorme variedade de habitats, mini-ambientes caracterizados pelas condições ambientais que lhe são próprias e que exigem adaptações específicas para se viver neles. Uma árvore bem adaptada ao frio, ventos e tempestades dos topos das altas montanhas pode não prosperar no interior quente e úmido das florestas tropicais. Assim é no mar.

        Não só a distribuição de cada espécie pelos diversos habitats, mas como a própria sobrevivência do indivíduo, estão determinadas pela existência de certos elementos do meio ambiente que podem agir diretamente sobre o funcionamento do organismo, e sobre o seu ciclo de vida. Esses elementos receberam o nome de factores ecológicos.

         Os factores ecológicos mais importantes no ambiente marinho são a luminosidade, a temperatura, a salinidade e a pressão. São eles que impõem as mais sérias limitações à vida e que permitem reconhecer os principais habitats, mas outros factores também influem nas adaptações dos seres vivos e mesmo no aproveitamento que fazemos dos recursos marinhos.

 

A biodiversidade marinha

Os factores físicos e químicos que estruturam e caracterizam o ambiente marinho compõem o que a Ecologia denomina factores abióticos , o primeiro dos dois componentes de qualquer ecossistema. O segundo componente inclui os chamados factores bióticos , os seres vivos que povoam o ecossistema, interagindo com os fatores abióticos.

         O conjunto e variedade das espécies animais e vegetais de qualquer ecossistema recebe o nome de biodiversidade . O estudo da biodiversidade é uma tarefa apaixonante pois revela como o processo da Evolução biológica actuou ao longo da história da vida na Terra adaptando os seres vivos ao ambiente – quase sempre de forma engenhosa – e gerando sempre novas espécies que enriquecem ainda mais a biodiversidade.

         A biodiversidade marinha destaca-se dentre os demais ambientes do nosso planeta por ser muito expressiva. Sinal disso é o facto de nos oceanos serem encontrados representantes de 27 dos 31 filos de invertebrados atualmente existentes. No entanto, o conhecimento da vida marinha não é uma tarefa fácil pois, segundo estimativas conservadoras, são conhecidas 160 mil espécies marinhas, enquanto que no ambiente terrestre foram identificadas 178 mil espécies. Isso indica que ainda há muitos animais a serem descobertos no ambiente marinho. Acredita-se que nos amplos e inexplorados fundos oceânicos habitem até cinco milhões de espécies diferentes.

Árvore filogenética dos metazoários

 

Fig. 4  - Árvore filogenética dos metazoários (de Espaço Sariego)

A árvore filogenética é uma forma bem visual de representar as relações evolutivas entre os reinos e filos metazoários. Nela, os números indicam o ponto de origem de novas estrutura orgânicas que direcionaram o processo evolutivo.

0 - DNA e RNA.

  1 - Complexo de Golgi, vacúolos contráteis e movimento amebóide.

  2 - Flagelos e cílios.

  3 - Colagens, espongina, diferenciação celular de organismos multicelulares.

  4 - neurônios e células musculares.

  5 - simetria biradial.

  6 - bilateralidade, sistema excretor e mesoderme.

  7 - sistema sangüíneo vascular.

  8 - celoma e metamerismo.

  9 - clivagem radial.

        O número de filos de metazoários pode variar conforme o sistema de classificação adotado, ponto no qual os cientistas ainda divergem entre si.

 

Voltar

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Seguidores

Contribuidores